COMÉRCIO AGRÍCOLA E NATUREZA PRESERVADOS

Postado por Circuito Cultural em 2 de julho de 2017

Cachoeira do Indaiá no Distrito de Pedra Menina em Rio Vermelho.

O município de Rio Vermelho surgiu na metade do século XVIII em pleno período de exploração do ouro, mas desenvolveu-se não pela atividade mineradora, mas pelo fornecimento de produtos agrícolas para a região mineradora. Seu posicionamento no meio do caminho entre Serro e Diamantina, fez da antiga Vila de Nossa Senhora da Pena do Rio Vermelho um importante ponto de passagem de tropeiros e centro comercial. Ainda hoje, o comércio local de produtos agrícolas mantém-se com características dos séculos anteriores, uma imagem preservada do período colonial mineiro.

Literalmente, esbarra-se em traços do passado ao se andar por Rio Vermelho, cujas belezas naturais encontram-se ainda preservadas. No meio da mata da Serra do Ambrósio, no distrito de Pedra Menina, encontra-se uma antiga construção feita por escravos. Segundo os moradores locais, tratava-se de um aqueduto rudimentar, construído com pedras e terra, destinado a canalizar as águas do Rio Indaiá para algum empreendimento como um moinho d´água.

Ruína de escravos na Serra do Ambrósio em Rio Vermelho.

Próximo a essa estrutura perdida no meio da mata encontra-se a linda Cachoeira do Indaiá, com uma queda de aproximadamente 20 metros, em ambiente totalmente natural em meio a exuberante vegetação e aonde se chega por uma trilha mato adentro. Ainda na Serra do Ambrósio, a comunidade católica realiza regularmente uma intensa celebração religiosa: uma via-sacra serra acima, com as estações definidas em meio a natureza – topo de colinas, clareiras na mata e margem de rios – até a Lapa do Jerônimo, uma gruta no topo da serra com uma imagem de Nossa Senhora Aparecida.

A Cachoeira do Indaiá tem queda de cerca de 20 metros.

POSTAGENS RELACIONADAS

Circuito Cultural do Diamante © Todos os direitos reservados.